Como escolher as melhores marcas de Ômega 3 - MI SCHAEFER

Como escolher as melhores marcas de Ômega 3

Publicado em quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Tem um post aqui no blog que eu indico o consumo de ômega 3 para ajudar no tratamento da acne hormonal, porém, hoje descobri que nem toda marca que se diz ômega 3 realmente irá funcionar no tratamento. 

Existem alguns pontos que são necessários ser compreendidos: 



QUANTO AO NÍVEL DE QUALIDADE

É preciso entender que os suplementos de óleo de peixe possuem uma composição que não é livre de outras gorduras. Por isso é preciso cuidar para não consumir suplementos de baixa qualidade que podem ser prejudiciais a saúde a longo prazo.

Para saber se o seu suplemento possui um nível de qualidade adequada, é necessário que se fique atento quanto à relação da concentração de ômega 3 x o número de cápsulas recomendada por porção. Cuide também para que o rótulo seja bem completo. 

A ANVISA estabelece que para um suplemento seja considerado "ômega 3 de óleo de peixe" é necessário apenas que se tenha alguma concentração do mesmo em sua composição, seja pequena (100mg) ou alta (mais de 1000mg). Mas o óleo de peixe é composto por vários tipos de gorduras, como as saturadas e o colesterol, além do ômega 3.


Para que não ocorra do "barato sair caro", evite as marcas que colocam apenas a quantidade de ômega  3 e prefira os produtos que no rótulo há a quantidade dos principais ômega 3, o EPA e DHA. As melhores marcas sempre vão fazer questão de mostrar sua quantidade e concentração. 

QUANTO A ORIGEM ANIMAL OU VEGETAL

Quando se fala em ômega 3, a primeira coisa que vem em mente são os suplementos a base de óleo de peixe, pois eles conseguem fornecer maior quantidade e qualidade.  Esse tipo de óleo normalmente é feito a partir de peixes de água fria, pois eles possuem uma maior concentração de EPA (ácido eicosapentaenóico) e DHA (ácido docosahexaenoico).

Existem ainda os feitos a partir de algas marinhas e sementes, como chia e linhaça. Eles oferecem boas quantidades de (ácido alfa linolênico), um tipo de ômega 3 que se converte em EPA e DHA  após a ingestão. Mas é preciso saber que esse tipo de ômega 3 é menos aproveitado em nosso metabolismo, portanto, é necessário ingerir uma quantidade muito maior para se comparar com o EPA e DHA de origem animal.  

QUANTO A CONCENTRAÇÃO DE ÔMEGA 3

Para você diferenciar a quantidade de ômega 3 das demais gorduras presentes no óleo de peixe, basta identificar a quantidade do EPA e DHA  na informação nutricional descrita no rótulo do suplemento e somá-las.

O resultado dessa soma você compara com o peso da cápsula (regra de 3). Exemplo: se a cápsula oferece 1000mg de óleo de peixe, e a soma desses nutrientes for 600mg, o suplemento tem uma concentração de 60% de ômega 3.

É necessário fazer essa conta, pois existem marcas caras onde concentração é de 15% ou 30% por cápsulas, fazendo-se necessário um consumo maior de cápsulas, então, no final das contas, aquele pote de 180 cápsulas de R$40 sai mais caro do que o pote com 30 cápsulas por R$70.

QUANTO AO NÚMERO DE CÁPSULAS A SEREM CONSUMIDAS

O número de cápsulas indica o quanto você precisa consumir do suplemento para atingir a quantidade recomendada de ômega 3 na porção sugerida pela marca. O ideal é que a porção tenha no mínimo 1.000 mg de EPA e DHA, assim, quanto menor o número de cápsulas para atingir essa porção, melhor é a qualidade do óleo de peixe. 

É interessante ficar bem atento a isso, porque é possível conseguir essa quantidade de ômega 3 em apenas 2 cápsulas. Algumas marcas caracterizam o produto como “ômega 3 concentrado”, dando a falsa impressão de ser um ótimo produto, mas quando você analisa o rótulo, a porção sugere o consumo de 4 cápsulas para atingir o recomendado. Ou seja, ômega concentrado não é sinônimo de boa quantidade de ômega 3. Sempre analise o rótulo, e compreenda a concentração e número de cápsula.


QUANTO A EMBALAGEM DO ÔMEGA 3

Um detalhe bem importante, e muitas vezes as pessoas não sabem, é que embalagens transparentes podem prejudicar a qualidade dos suplementos, tornando-os prejudiciais a saúde. As gorduras possuem uma estrutura química que se quebra ao contato com a luz, e o resultado dessa quebra são substâncias com potencial cancerígeno. 

Como as cápsulas já são transparentes, os produtos devem ser embalados em potes escuros ou opacos, para impedir o contato da luz com as cápsulas.

Atualmente estou com o Ômega da Alasca do Laboratório Catarinense. Pago R$72 no pote com 30 cápsulas. Cada cápsula possui concentração de 850mg de ômega 3. 


INFORMAÇÕES TIRADAS DO SITE https://blog.vhita.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário